Morre paciente que família denunciou à polícia negligência médica por intestino perfurado


A mulher de 44 anos, moradora de Lençóis Paulista (SP), cuja família registrou denúncia de erro médico por intestino perfurado na Polícia Civil de Bauru, morreu na manhã desta segunda-feira (10), informou parentes.


Andréa Patrícia Alves, que começou a ser atendida no fim de novembro, na Maternidade Santa Isabel, em Bauru, estava internada desde o início de dezembro no Hospital de Base, onde morreu.

Após passar por exame necroscópico no IML de Bauru, o corpo de Andréa está sendo velado desde a noite desta segunda-feira, em Lençóis Paulista. O sepultamento está marcado para as 13h desta terça-feira (11), no cemitério municipal da cidade. Segundo informações do marido e da irmã da paciente, Andréa Patrícia Alves aguardou dois anos na fila do SUS para uma cirurgia de retirada de um cisto no ovário e quando foi chamada, o médico disse que não encontrou nada.

O atendimento aconteceu no dia 30 de novembro na Maternidade Santa Isabel. O empresário Sandro Luís Ortega, marido de Andréa, afirma que o ginecologista chegou a operar Andréa e colocou um dreno. No dia seguinte, deu alta pra mulher. Só que ela não estava passando bem, segundo o marido.

“Ele falou que num tinha cisto e só tirou a aderência e que se ela tivesse bem no outro dia, conseguindo caminhar e fosse ao banheiro, ela estaria de alta. Mas no outro dia a enfermeira tentou tirar o dreno e não conseguiu, chamou uma médica que também não conseguiu. Foi quando disseram que ela teria que ir para o centro cirúrgico novamente”, conta. Dias depois, com febre e dores, a paciente, que mora em Lençóis Paulista, precisou ser levada pra uma unidade de saúde. Lá, funcionários encaminharam ao Hospital de Base, em Bauru, onde passou por cirurgia. A ficha preenchida pelo médico relata que o intestino estava perfurado.


Em dezembro, a reportagem da TV TEM conversou com o médico Pedro Tobias, acusado de erro médico pela família. Ele afirmou que quando atendeu Andréa não encontrou nenhum cisto. Disse ainda que ele mesmo deu alta para ela dias depois porque ela estava bem.


“Dei alta porque ela estava bem, não reclamou de nada. A única dificuldade foi a retirada do dreno que a enfermeira me chamou e eu retirei e ela foi para casa”, afirmou o médico naquela ocasião.


O médico também informou que a perfuração no intestino pode ter acontecido por complicações do quadro da paciente, depois que ela passou pelo primeiro procedimento.


”Perfuração significa fístula e como aconteceu que é o 'X' da questão, porque é intestino grosso e ele é não superficial. Pode ter sido no exame, na aderência dela, mas não é reconhecido que tenha sido algum erro nosso, pode ser do quadro da doença dela e se eu soubesse não teria deixado isso acontecer.”

O marido da Andréa registrou boletim de ocorrência e a Polícia Civil instaurou inquérito para investigar o caso. “Vamos ouvir os enfermeiros, já solicitamos informações clínicas e encaminhamos solicitações para o Instituto de Criminalística e ao final vamos ouvir os médicos envolvidos no suposto erro”, disse o delegado Dinair José da Silva.


Andréa Patrícia Alves tinha 44 anos e era mãe de três filhos. Segundo informações dos familiares, ela estava internada na UTI no Hospital de Base desde o dia 8 de dezembro, passou por duas cirurgias e permaneceu intubada.


Em nota, a maternidade Santa Isabel informou em dezembro que Andréa deu entrada na unidade no dia 30 de novembro para passar por uma cirurgia e que durante o procedimento foi detectada a necessidade de “uma intervenção mais complexa”.


A paciente, segundo o hospital, recebeu alta no dia 2 de dezembro, em bom estado de saúde. Na mesma nota, a maternidade disse que Andréa retornou no dia 6 de dezembro e passou por nova avaliação e exames, sendo transferida para o Hospital de Base de Bauru .


Fonte: G1 Bauru e Marília