Maternidade disponibiliza contraceptivos a mulheres em situação de vulnerabilidade


A Maternidade Santa Isabel de Bauru (SP) oferece um serviço totalmente gratuito de inserção de contraceptivo de longa ação reversível para mulheres em situação de vulnerabilidade de Bauru que derem à luz na unidade.


O projeto entrou em funcionamento neste mês de fevereiro de 2022 e as puérperas atendidas, após expressarem o desejo de passar pelo procedimento, poderão escolher entre três métodos contraceptivos pós-parto diferentes.

A paciente conta com o respaldo da equipe do hospital na escolha, baseado em orientações e indicações caso a caso. A facilidade de acesso a esses métodos contribui para redução das taxas de gestação não planejada.


O novo serviço recebeu verba de R$ 381 mil, de recursos parlamentares, para custeio durante dois anos e, após esse prazo, poderá ser mantido com recursos da Secretaria de Estado de Saúde. A estimativa é que 240 mulheres sejam beneficiadas no período.


Sobre os contraceptivos

Os LARCs (Long-acting reversible contraceptives) ou contraceptivos de longa ação reversíveis mantêm seu efeito por três anos ou mais e podem ser imediatamente reversíveis caso a mulher queira engravidar antes desse período.


No projeto da Maternidade Santa Isabel estão contemplados o DIU de cobre, o SIU levonorgestrel (Mirena / Kyleena) e o Implante de Etonogestrel.


De acordo com a coordenadora da Ginecologia e Obstetrícia da maternidade, Mariane Nunes de Nadai, o procedimento é realizado na enfermaria, durante ou após o parto, e as características de todos os métodos disponíveis promovem benefícios à saúde da mulher.


“Esses métodos de longa ação são reversíveis e têm alta eficácia, sendo comparáveis ou até superiores à laqueadura (método contraceptivo definitivo) em termos de proteção contra a gravidez, e possuem pouquíssimas contraindicações”, detalha.


Com isso, as chances de a paciente estar apta ao uso são muito maiores. Outra vantagem é que essas opções de longa ação reversíveis são as que garantem as maiores taxas de proteção contra gravidez não planejada.


“Nenhum dos métodos gera infertilidade ou reduz as chances de engravidar no futuro”, afirma a coordenadora, características que estão entre as mais interessantes desses tipos de contraceptivos, na avaliação da médica.


Além de Bauru, o serviço poderá ser estendido às mulheres de outros 17 municípios da região do Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS-VI) que são abrangidos pela Maternidade Santa Isabe.


“Após o procedimento, o serviço de saúde do município de origem da paciente precisa dar continuidade no monitoramento ginecológico de rotina, então, após firmar esse compromisso será possível oferecer para mulheres dessas cidades”, explica Robson Braghetto, assessor administrativo do hospital.


Protocolo de vulnerabilidade

Quando a mulher é internada em início do trabalho de parto, a equipe assistencial solicita avaliação do Serviço Social para abertura de um protocolo de vulnerabilidade, com identificação dos critérios indicação e/ou exclusão para receber um dos métodos contraceptivos de longa ação e verificação do desejo da paciente em aderir a um dos métodos contraceptivos no pós-parto.


A paciente passa por uma entrevista social, recebe orientações e caso opte por algum dos métodos ofertados precisará formalizar sua decisão em um termo de consentimento.

Critérios de inclusão

Serão priorizadas para participar do projeto as seguintes pacientes:

  • Pacientes em situação de rua;

  • Pacientes em situação de vulnerabilidade social (econômica);

  • Dependentes de substancias psicoativas;

  • Privadas de liberdade;

  • Vítimas de violência doméstica;

  • Adolescentes entre 14 e 19 anos e 11 meses e 29 dias;

  • Mulheres soropositivas para HIV;

  • Mulheres com contraindicação absoluta a outros métodos contraceptivos.

Fonte: G1 Bauru e Marília