Como prisão de um advogado pela Lava Jato levantou suspeitas de seu envolvimento na morte da esposa


Em 2004, Karin Serson foi encontrada em um quarto de hotel com um tiro na cabeça e outro no peito. Em 2019, o marido de Karin, Nilton Serson, foi preso pela Operação Lava Jato. Documentos obtidos na época levaram os filhos do casal a investigarem a movimentação do patrimônio da mãe e a questionar o possível envolvimento do pai na morte dela.


Eric e Greg Serson eram adolescentes quando, no dia 21 de outubro de 2004, a mãe deles foi encontrada morta em um quarto de hotel em Barueri, na Grande São Paulo. A conclusão da polícia: suicídio.


No entanto, anos depois, ao visitar o pai na cadeia, em Curitiba, Eric teve acesso a documentos que não interessavam à investigação da Lava Jato. Ele encontrou registros de que Nilton teria usado uma procuração para vender um imóvel de Karin 20 dias antes da morte dela.


A morte passou então a ser investigada pela segunda vez, com a divulgação de um novo parecer, feito a pedido dos filhos, que aponta a suspeita de assassinato.


Os policiais estão ouvindo testemunhas e já intimaram o advogado Nilton Serson duas vezes. Ele não compareceu e será intimado novamente.

A suspeita de que Karin tenha sido assassinada fez Eric e Greg contratarem peritos particulares. Eles analisaram o inquérito original e encontraram uma série de inconsistências que levaram a Justiça a aceitar a reabertura da investigação.

Nilton Serson atendeu o Fantástico por telefone. Ele rebateu o filho e negou que acumulou patrimônio usando a herança de Karin. Ele afirma até que Eric estaria usando a reabertura da investigação sobre a morte da mãe para chantageá-lo.


Fonte: G1