Bombeiros encontram corpo de morador que morreu afogado ao ter a casa invadida pela enxurrada


O Corpo de Bombeiros localizou o corpo do morador de Jaú (SP) que morreu afogado após ter a casa invadida pela enxurrada neste domingo (30).


O corpo de Edson Aparecido Saes, de 61 anos, foi encontrado na Rua Prefeito Mario Ferraz Magalhães e uma equipe do Samu confirmou óbito. A rua é onde fica a casa da vítima.

Edson era catador de recicláveis e morava com o filho, de 31 anos, na casa que fica na Vila São Paulo. A área é considerada de risco para inundações.

Em entrevista à TV TEM, o filho de Edson, Ederson Gustavo Saes, contou que tentou salvar o pai, que fazia um tratamento médico e estava com saúde bastante debilitada.


O Corpo de Bombeiros foi acionado e conseguiu resgatar Ederson e outras duas pessoas da família, que viviam em uma casa nos fundos no mesmo terreno. Ederson disse que a água invadiu a casa muito rápido e não conseguiu salvar o pai.


“Estava eu e o meu pai na casa, com água no pescoço. Eu segurei ele no colo até ser arrastado. Veio um água mais forte e arrastou ele. Só consegui encontrar ele depois de um tempo, na sala, e ele já estava morto”, lamenta.

Os bombeiros continuam as buscas por um morador que está desaparecido desde a noite do sábado (29). Ele estava pescando próximo ao Rio Jaú e já chovia no momento que ele despareceu.


A chuva causou alagamentos e estragos em vários pontos da cidade. De acordo com a Defesa Civil em 62 horas choveu 271,6 mm e o volume precipitado já foi acima da média esperada para o mês todo. A média para o mês é de 264,4mm e o volume precipitado para o mês 430,4 mm.


Um dos pontos de alagamento foi o Ginásio Dr Flávio de Mello onde funciona uma unidade de saúde e o Centro de Testagem Covid-19, que tiveram os atendimentos suspensos nesta segunda-feira (31).


Além das unidades de saúde a água invadiu várias casas e estabelecimento comerciais. Na Rua Álvaro Foret, a Defesa Civil precisou resgatar de bote moradores que ficaram ilhados.


Na Rua Álvaro Foret, a Defesa Civil precisou resgatar de bote moradores que ficaram ilhados. Uma jovem, um bebê e um cachorro foram resgatados de barco.


A via e outras que ficam na região foram tomadas pela água e lama. No Jardim Bela Vista, um voluntário resgatou uma criança com uma moto aquática e na tentativa de resgatar mais moradores, o veículo foi arrastado, mas todos foram salvos pelos bombeiros.


No centro da cidade, funcionários de uma pizzaria tentaram chegar até o local, que ficou alagado, usando uma boia, mas acabaram desistindo.


Os locais mais afetados foram nas baixadas das ruas Floriano Peixoto, Quintino Bocaiúva e Campos Salles. A rotatória de acesso ao Jardim São José é outro ponto crítico, no bairro além das casas, a água também invadiu uma igreja.


Por conta dos alagamentos foram interditadas na manhã deste domingo as seguintes vias: Rua Quintino Bocaiuva, Rua General Galvão, Rua Tunin Capelozza, Rua Floriano Peixoto, Rua Domingos Pereira de Carvalho, Rua Osório Ribeiros de Barros Neves, Avenida Nove de Julho, Rua Prefeito Mário Ferraz Magalhães, Av Julinho de Carvalho, Rua Lourenço de Almeida Ferraz, Rua Arlindo Rett Primo, Rua Rafael Behar e Rua Giordano Stiarbi.

Decreto de emergência

Na tarde deste domingo, depois de visitar os pontos mais críticos da cidade, o prefeito de Jaú, Ivan Cassaro, publicou um decreto de situação de emergência no município e criou um comitê de crise para ajudar os afetados pelas enchentes. Pontos de arrecadação de doações foram estabelecidos em vários pontos da cidade. (Veja aqui os endereços)


Com isso, ficam autorizadas as contratações para fornecimento de bens e/ou serviços emergenciais, mediante dispensa de licitação.


Também é permitida a requisição, ocupação e uso de bens e serviços de pessoas físicas ou jurídicas para atendimento da população em situação de risco. O governo do estado também deve enviar verba emergencial de R$ 1 milhão.


Fonte: G1 Bauru e Marília